Central de Notícias

ARTIGOS

7 TÉCNICAS DE ESTUDO

31/01/2019 - Eduardo Soares

É possível estudar e passar nas provas sem aplicar nenhuma técnica ou metodologia? Sim, e é o que normalmente fazemos no ensino fundamental, médio e até no superior, mas gasta-se muito mais tempo do que quem aprende com o auxílio de alguma técnica ou metodologia e, além disto, muitos não conseguem a aprovações necessárias e desistem. Não é uma crítica, pois muitos obtiveram sucesso estudando desta forma e possuem seus diplomas com todo o mérito, mas poderiam ter gasto menos energia e obtido pontuações melhores.

Porém o estudo para concurso público exige que o aluno se profissionalize, que se torne um concurseiro profissional. A preparação exige planejamento, técnicas e métodos de estudos para garantir a fixação de conteúdo e acelerar o processo de aprendizado. É o que todo mundo busca: “que o seu dia a dia de estudo seja MUITO MAIS PRODUTIVO”.

Todos iniciam o estudo elaborando o próprio planejamento de estudo para concurso; pesquisando, experimentando e definindo suas próprias técnicas e metodologias, mas o ideal é conhecer e usar algumas técnicas e metodologias de estudo já comprovadas e contar com o apoio e experiência de alguém que já foi aprovado.

Procedimentos de estudos são essenciais para garantir a melhor administração do tempo e tornar o estudo eficiente, certas técnicas tornarão o seu estudo mais rápido e elevará o seu desempenho, tornando, portanto, o estudo menos pesado e cansativo.

Segue 7 técnicas de estudo úteis para o seu estudo:

1) Resumo ou fichas

Fazer uma leitura atenta do conteúdo que se estuda é essencial, mas deve-se ir além disto, é fundamental organizar as informações lidas de tal forma que você possa revisá-las com eficiência mais a frente.

Elaborar resumos ou fichas, que é basicamente o ato de fazer sínteses esquematizadas do que estudou, ajuda muito a “recarregar o conteúdo estudado na sua memória” quando estiver na fase de revisão. É fundamental identificar os itens importantes que não podem deixar de fora de suas revisões.

O uso desta técnica associada a outra(s), potencializará a sua retenção de conteúdo.

2) Tabelas e quadros.

É uma técnica muito útil para quem tem memória visual por representar informações no formato de tabelas e quadros, pois, associa assuntos e fixa conteúdos de uma forma que a sua memória tem facilidade em recuperar.

Como assim?

Pense em Direito Tributário, imagine que tenha acabado de estudar as formas de extinção do crédito tributário, nos termos do artigo 156, do CTN. Faça uma tabela colocando nos quadros da primeira coluna, o nome das formas e na segunda coluna, uma explicação sucinta para te auxiliar nas revisões.

1) Pagamento Quitação por meio pagamento em dinheiro ou débito….
2) Compensação Quitar a divida tributária por meio de um crédito….
3) Remissão e tem mais hipóteses….. Ato de perdoar a divida, renunciar o direito de cobrar…

Imagine o uso destas tabelas para guardar assuntos relacionados a alíquotas, prazos, valores, percentuais e informações neste sentido.

3) Mapa mental

Técnica extremamente visual por representar informações por meio de ramificações ligadas por meio de referências, detalhando cada vez mais conforme vai saindo do centro. Pessoas com boa memória visual têm muita facilidade em recuperar informações armazenadas por meio de mapas mentais.

Quer ver um modelo?

Basicamente é uma forma de ver o conteúdo por meio de ramificações, é um diagrama composto por palavras, ícones e flechas/conectivos. A principal vantagem de elaborar esses esquemas é a possibilidade de criar uma ordem lógica entre as informações, com destaque para interconexões e relações de hierarquia.

Quando eu estudava Legislação Tributária específica de um determinado Estado, eu colocava o nome do imposto no meio (ex: ICMS), depois fazia ramificações colocando “Imune/Isento”, “7%”, “12%”, “18%” e “25%”, e em cada ramificação eu fazia outras ramificações colocando o tipo de mercadoria que era tributada com estas alíquotas, como por exemplo, “Imune/Isento” => livros, “7%” => itens da cesta básica, “12%” => interestadual, “18%” => a regra e “25%” => bebidas, cigarros e supérfluos.

4) Palavras mnemônicas

É aquele famoso “LIMPE” dos princípios da administração pública, lembra dele? rs

LIMPE = Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência. Sendo mais específico o LIMPE é um acrônimo, uma palavra formada por letras que representam outras palavras.

Técnicas mnemônicas facilitam a fixação de informações por meio de palavras ou expressões, são excelentes para assuntos que simplesmente precisam ser decorados, são excelentes para conteúdos seqüenciais e sem qualquer relação lógica entre si.

5) Dar “aula” (fazer apresentações ou gravações de áudio e/ou vídeo)

É aquela máxima, se você consegue explicar é porque entendeu e o inverso também vale e é extremamente útil, se você não conseguir explicar algum assunto, é porque ele não foi entendido e retido em sua memória, sabendo disso, estude novamente até poder “dar aulas”.

Dê aula para amigos, parentes e etc., eu já sei o que está pensando, “Ninguém tem tempo ou paciência de escutar assuntos de concursos”, tudo bem, dê aula para o espelho, janela, porta, arrume o seu “aluno”.

É importante citar exemplos, improvisar criando cenários para explicar o assunto, pois isto ajudará a fixar o conteúdo.

Hoje todos têm um celular, que é na verdade um mini computador, com diversos recursos, dentre eles há um gravador de vídeo e de áudio. Aproveite estes recursos para gravar a sua aula e assista ou escute-a enquanto se desloca. Muitos fixam melhor aquilo que escuta ou vê, pois estímulos áudio visuais são poderosos, se esse é o seu caso, utilize esta técnica para se expressar e descobrir o quanto domina o assunto e também servirá para revisar, assista e/ou ouça várias vezes.

6) Simulados cronometrados

A aprovação em um concurso público passa pelo sucesso em uma prova, é preciso pesquisar provas de anos anteriores e resolvê-las com o cronômetro ao lado, simulando o mesmo ambiente de prova, com tempo de início e fim, e qualquer saída para ir ao banheiro não servirá de motivo para interromper a contagem de tempo.

Quanto mais familiarizado com as condições da prova, maiores serão as suas chances de aprovação. Os simulados são essenciais para se acostumar ao estilo das questões, como determinada banca cobra determinado assunto, isso ajuda a entender o “estilo da banca”.

7) Seja LÚDICO

Na minha opinião é a melhor, lembra daquele professor do ensino médio ou de cursinho para prestar o vestibular?

Ele elaborava frases engraçadas ou até cantava versões de músicas, tudo no intuito de facilitar a memorização dos assuntos estudados, seja a música do “cosseno”, “música de itens da tabela periódica” e por aí vai.

Não lembro o nome do professor que gravou os áudios, mas ele fazia paródias de musica falando da “CPI”, “idade para Prefeito, Governador e etc”, “Natural e naturalizado”.

Mas a parte lúdica não se restringe a frases ou versões musicais, cabe também desenhos engraçados, feitos por você e que te ajude a ter um material de revisão sucinto, básico, mas muito eficiente.

Guerreiro(a), espero ter te ajudado rumo a SUA APROVAÇÃO. Se houver interesse em falar mais comigo sobre este ou outro assunto, agende uma entrevista gratuita comigo no link abaixo ou clique aqui e envie um e-mail.

Para mais informações, conheça meu perfil no LS.

Veja também outros artigos interessantes:

– Crise de concursos na área fiscal?? https://goo.gl/Vxoxpr

-Concurso público: qual área escolher para estudar? https://goo.gl/p4iSHH

– Concurso público: investimento ou despesa? https://goo.gl/QJ3Dc9

– Manual da Reprovação: os 10 erros mais comuns que você NÃO deve cometer: https://goo.gl/r62Gn9

– Concorrência oficial x concorrência REAL (área fiscal): existe diferença? https://goo.gl/vK3uAD