Central de Notícias

ARTIGOS

Breve análise: Prova de Agente-Fiscal – ISS Campinas

10/09/2019 - Bruno Machado

Fazer uma análise atenta das provas que foram aplicadas recentemente pela banca do seu concurso é fundamental. Com pouco esforço, é possível compreender o estilo adotado pelos examinadores – que muito possivelmente serão os mesmos responsáveis pela elaboração da sua prova -, e fazer um direcionamento das suas revisões finais.

Então, se você vai fazer a prova para o cargo de Auditor-Fiscal Tributário (ISS Campinas) – que ocorrerá no próximo dia 15/09 -, recomendo que dê uma espiada em cada uma das questões aplicadas pela Vunesp na prova para o cargo de Agente-Fiscal.

De fato, ao compararmos os editais (Agente e Auditor) veremos que há diferenças substanciais entre estruturas de prova, conteúdos programáticos, além do nível de escolaridade. Disso você já sabia, certo? Tudo isso deve ser levado em consideração para que possa ter expectativas realistas de como será a prova para Auditor!

Portanto, vejamos como foi a estrutura da prova para o cargo de Agente-Fiscal:

Bem tranquila para os padrões da área fiscal, né? Mesmo com essa quantidade bem restrita de questões, é possível obter algumas constatações interessantes!

Para acompanhar essa análise, recomendo que abra o caderno de provas e vasculhe cada uma das questões aplicadas, buscando compreender (i) como é que o examinador construiu as alternativas certas e erradas, (ii) que tipo de alteração textual ele optou por fazer, e (iii) como é que tentou confundir os candidatos. Vamos lá?

Caderno de Prova – Agente Fiscal Tributário (ISS Campinas)

Português: prova muito bem equilibrada, transitando entre questões de interpretação de texto (mais numerosas), pronomes, correção e concordância e crase. Distribuição muito típica, permanecendo dentro da tradição das provas para o fisco.

Matemática e Raciocínio Lógico: prova relativamente simples, embora tenha exigido conteúdos que não serão exigidos na prova para auditor. A parte de Raciocínio Lógico propriamente dita não trouxe surpresas. Novamente, o ideal é que sempre busque resolver as questões mais tranquilas de imediato, apenas permitindo-se dedicar precocemente a uma questão complexa nos casos em que estiver seguro da resolução. Nessas disciplinas costumam surgir as “questões espantalho” – talvez como um aspecto peculiar dos examinadores de exatas, sempre ávidos por um desafio (isso valerá especialmente para Estatística).

Legislação: embora não coincidente com o conteúdo programático para Auditor, foi possível ver que as questões replicaram com muita fidelidade o conteúdo de “Legislação” – cobrindo todos os assuntos indicados no edital, inclusive com questões disposta na mesma sequência de apresentação do conteúdo programático. Dentro das seis questões, foram cobertos: os direitos e deveres individuais e coletivos; da família/criança/adolescente; estágio probatório do servidor; responsabilidade do servidor; ética do servidor. Observe que os conhecimentos relacionados à carreira foram os mais óbvios possíveis.

Direito Tributário: as questões seguiram a ordem didática do CTN. A única questão tópico-problemática exigiu o domínio do tópico Responsabilidade, seguindo a tradição das provas fiscais. Nível de previsibilidade extremo nessa disciplina!

Direito Civil: adotando uma linha semelhante ao que vimos no ISS Guarulhos, as questões exigiram uma compreensão sistemática da lei civil, tendo priorizado a abordagem tópico-problemática. Transitou de forma bem ampla pelo CC, exigindo conhecimentos a respeito da capacidade, mandato, incorporação, direito de propriedade e da sucessão. Novamente, cobriu com completude o conteúdo programático do edital, exigindo um conhecimento bem completo! Possivelmente a matéria que apresentou maior exigência.

Direito Administrativo: nessa disciplina, tivemos um misto de cobrança simplificada (exigindo conhecimentos básicos de princípios, atos, bens públicos, administração pública) e aprofundamentos pontuais. Das cinco questões, apenas duas exigiram um conhecimento menos óbvio (bens públicos e administração pública) – o que já foi suficiente para prestigiar aqueles que têm mais segurança com a matéria.

Leis tributárias: por sua vez, as maiores questões foram relativas às leis específicas inseridas no conteúdo programático da disciplina – novamente seguindo a sequência disposta no edital, cobrindo todos os normativos elencados, e com dificuldade mediana nas questões tópico-problemáticas (uma questão para cada: IPTU, ITBI e ISS), e baixa dificuldade para as questões mais literais. Foram explorados os seguintes temas: incidência, isenções, alíquotas, responsabilidade, restituição/compensação/depósito. Quanto à infração, o conhecimento exigido foi apenas básico (ISS). Embora tenha tido nível de dificuldade moderado, por ser um conteúdo trabalhado à exaustão pelos candidatos, a exigência relativa ainda seria maior em Direito Civil.

A essa altura do campeonato, é bem provável que você já tenha resolvido toneladas de questões Vunesp, e que já tenha praticamente decorado a prova do ISS Guarulhos (aplicada recentemente). Sendo esse o seu caso, ótimo! Ter esse tipo de conexão com a banca é o primeiro passo para uma revisão de véspera bem calibrada, e para que consiga manter o equilíbrio durante a prova. Então bora trabalhar que ainda tem muita coisa a ser feita!

Veja mais:

Já é hora de fazer prova?

Chuva de editais!