Central de Notícias

ARTIGOS

Área Fiscal, Controle, Tribunais, Policial, etc… afinal, como me decidir para o que devo estudar?

22/07/2018 - Gleidson Cardoso

Olá pessoal, tudo bem?

Quantas vezes você já não se perguntou se está se preparando para o concurso da área correta? E como você se sente quando está estudando para uma área x e, de repente, surge um edital para o concurso da área y? Bate ou não o desespero? Já passou por isso? Convido-os a fazer a leitura deste artigo e identificar alguns fatores que poderão ajudá-los a decidir qual a área de estudo é mais adequada ao seu perfil.

Estudar para concurso público não é tarefa fácil, certo? Atualmente, existe uma vastidão de cargos que realizam periodicamente concurso público para provimento de novos servidores. É preciso tanto se conhecer como também conhecer realidade que o cerca para tomada certa de decisão, antes de seguir nos estudos propriamente dito.

Você deve estar se perguntando: e quais são estes fatores que devo levar em consideração para minha decisão? Vamos listar alguns deles:

Qual é o seu foco

Parece chover no molhado, mas ter um foco durante a preparação é determinante para o sucesso. Não adianta estudar para todas as áreas ao mesmo tempo. Embora algumas matérias sejam as mesmas para áreas diferentes (Dir Const e Dir Adm, por exemplo, que são exigidos em quase todos os concursos públicos), é preciso se “especializar” em um campo de estudo e aprimorar seu conhecimento visando aumentar suas chances de sucesso.

Quanto tempo diário você possui para estudar?

Também é importante você considerar este fator. Quanto mais tempo diário você tiver livre, tenderá a estudar o conteúdo programático de um edital em menor tempo. Isso pode ser importante na hora da escolha da área a ser estudada. Por exemplo, concursos para área fiscal e controle costumam exigir mais horas de leitura e estudo em relação a concursos das áreas de tribunais (servidores) e policial, por exemplo, devida a estes possuírem editais mais enxutos como regra geral.

Quanto tempo até a aprovação você pode suportar estudando?

Outro fator importante que influencia sua decisão. Se você está num situação pessoal confortável e pode se programar para estudar por períodos maiores (2 a 4 anos), seu leque de possibilidades é ampliado, uma vez que você terá paciência para ser concurseiro por mais tempo. Ao contrário, se você tem “pressa” para ser nomeado e não deseja ficar muito tempo com o status de concurseiro, uma sugestão é se preparar para concursos com editais menores, que possam ser estudados em menor tempo como, por exemplo, concurso para o cargo de técnico judiciário.

4º  É sonho ou apenas enquadramento no mercado de trabalho?

É interessante você refletir se deseja apenas ser nomeado e ter um cargo público ou se sua preparação está voltada para a realização de um sonho. Eu, quando fui concurseiro, já era militar e não desejava apenas trocar de cargo público. Tinha vontade de ser Auditor-Fiscal da Receita Federal. Assim, descartei concursos para outras instituições por não ser meu interesse em trabalhar nelas. Isso me ajudou para que eu tivesse mais concentração e foco durante minha preparação.

5º  Você se enxerga trabalhando no órgão para o qual está estudando?

Pode ser fator decisivo também na hora da sua decisão. Imagine você estudando sem parar para o concurso da Polícia Federal, que recém foi lançado, por exemplo. Vem a pergunta: já se imaginou sendo policial? Portar arma de fogo? Está preparado para isso? É interessante observar e se procurar se identificar no órgão trabalhando. É bem verdade que o ser humano em tudo se adapta. Mas, se você puder optar por uma área de maior afinidade e que lhe agrada no dia a dia, será bem melhor, não é mesmo?

Quanto você deseja ganhar?

Analisar a remuneração do cargo pretendido também deve ser fator para análise, principalmente se você já está trabalhando em outro cargo público ou até mesmo na iniciativa privada. Confira se o valor informado no edital é interessante para suas pretensões, se o plano de carreira é atraente, se existem vantagens indiretas, gratificações, etc. Os custos benefícios do eu projeto também devem ser considerados.

Como dizia Sun Tzu, no livro A arte da guerra: “Diante de uma larga frente de batalha, procure o ponto mais fraco e, ali, ataque com a sua maior força”.

Bem, espero ter ajudado você rumo a caminhada da aprovação. Se tiver interesse em falar mais comigo sobre este ou outro assunto, basta enviar e-mail para: gleidsoncardoso.concursos@lsensino.com.br

Até a próxima!

Consultor Gleidson Cardoso – Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil

Veja também outros artigos de interesse:

Como me tornei Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil: https://goo.gl/mFzJdG

– Concurso público: investimento ou despesa? https://goo.gl/QJ3Dc9

– Manual da Reprovação: os 10 erros mais comuns que você NÃO deve cometer: https://goo.gl/r62Gn9

– Concorrência oficial x concorrência REAL (área fiscal): existe diferença? https://goo.gl/vK3uAD

– Concorrência oficial x concorrência REAL (área policial): existe diferença? https://goo.gl/QPFd2E

– Discursivas: devo me preparar antes ou depois do edital?  https://goo.gl/5QXS7T

– Publicada lei que aumenta a remuneração e altera carreira da RFB: https://goo.gl/zv3SVR

Comentários de Direito Previdenciário para o TCE-PE:  https://goo.gl/2T1kT7

Qual o momento ideal para começar a estudar para concurso: https://goo.gl/gehSxb

Indenização de Fronteira para RFB, PF, PRF, AFT e MAPAhttps://goo.gl/L93SvF