Central de Notícias

ARTIGOS

É preciso ter sorte para passar em concurso público?

05-12-2017 - Alexandre Andrade

Todo mundo que estuda para concursos públicos já se perguntou, ao menos uma vez, se a sorte seria um fator necessário para alcançar a tão sonhada aprovação. Afinal de contas, a maior parte de uma seleção pública é geralmente uma prova objetiva, na qual seria possível, ao menos em tese, acertar um bom número de questões usando o bom e velho chute, e terminar aprovado. Mas isso seria uma aposta razoável? 

Considerando uma prova objetiva com 100 questões de 5 alternativas, a probabilidade de alguém acertar 90% chutando a esmo é mais ou menos a mesma de você acertar na mega-sena 8 vezes seguidas. Talvez não seja uma boa apostar suas fichas nessa possibilidade, não é mesmo? 

Mas será que não seria possível estudar bastante, e depois contar com a sorte para ajudar naquelas questões mais difíceis, que você não conseguiu resolver? Por mais que estejamos convencidos de que não é possível passar dependendo exclusivamente da sorte, será que ela não pode mesmo desempenhar algum papel na nossa vida de concurseiro?  

A resposta pode parecer surpreendente, mas a verdade é que a sorte, ou mais precisamente a aleatoriedade, é sim um fator que influencia na aprovação em um concurso público. 

É claro que a sua chance de passar vai depender muito mais de fatores sob o seu domínio: o quanto você estuda, com que frequência, usando qual método, com quais materiais, etc. Mas pense também na quantidade de fatores que você não domina e que podem influenciar. Por mais que você tenha estudado todo o conteúdo, os assuntos específicos cobrados na prova podem lhe favorecer um pouco mais ou um pouco menos. No dia da prova pode ocorrer de você estar sentindo algum mal estar, que tire sua concentração. Ou pode acontecer de, mesmo tendo feito tudo certo e arrebentado na prova, alguns outros candidatos simplesmente conseguirem se sair ainda melhor do que você, roubando a sua vaga. 

 

Se há sorte envolvida no processo, o que fazer? 

Mas então, devemos aceitar que concurso público depende de sorte e abandonar o nosso esforço diário nos estudos? Evidente que não. Por mais que tenhamos de aceitar que nem tudo está sob nosso controle, precisamos trabalhar duro naquelas variáveis que controlamos. Estudar muito e da forma correta, preparar-se física e psicologicamente, investir pesado na preparação. 

Imagine a sua classificação final no concurso como uma variável aleatória, que você não controla 100%. Mas é como se você conseguisse controlar o seu valor médio, esperado. Estudando para valer, você estará mirando numa certa colocação, e dando o seu melhor para atingi-la. Fatores externos podem fazer você terminar um pouco abaixo ou um pouco acima dela, mas quanto mais alto você mirar, melhores serão as suas chances de estar acima da nota de corte. 

O segredo é, portanto, abstrair dessa aleatoriedade, e investir para valer na sua preparação, com toda a sua vontade e com todos os seus recursos. Quanto mais você se preparar, menos dependerá da sorte para realizar esse sonho. É como aquela velha máxima repetida por muitos desportistas de sucesso, como Tiger Woods e Ayrton Senna: “Quanto mais eu treino, mais sorte eu tenho”. 

Então, esqueça tudo o que está fora do seu controle, e foque no que você pode controlar: procure uma orientação adequada e se dedique para valer. A LS oferece preparação personalizada para concursos, com uma metodologia testada e aprovada ao longo de anos de experiência. Agende uma entrevista! 

Quaisquer dúvidas, críticas ou sugestões, entre em contato: alexandreandrade.concursos@lsensino.com.br

Clique a seguir e siga-me no Instagram: