Central de Notícias

ARTIGOS

O que aprender com os primeiros colocados em concursos públicos

19-12-2017 - Alexandre Andrade

A preparação para um concurso público exige do candidato não apenas muita dedicação e empenho, mas também a escolha de comportamentos adequados, que encurtem seu caminho até a aprovação. Nos cursinhos, nos fóruns de discussão ou em artigos na web podemos encontrar centenas de “dicas”, fórmulas para se alcançar o sucesso na empreitada de conseguir o tão sonhado cargo público. Nessa enxurrada de informações, como selecionar o que realmente pode ajudar alguém a ser aprovado? Parece ser uma boa ideia olhar atentamente para aqueles que não apenas passaram no concurso que pretendiam, mas também o fizeram com maestria, obtendo o primeiro lugar.

Mas o que torna uma pessoa a primeira colocada naquele certame tão disputado? O 01 seria um gênio, fora da curva, com QI altíssimo, beneficiado pela genética? Quem trabalha no ambiente de concursos sabe que essa hipótese não é verdadeira, na esmagadora maioria dos casos. Os primeiros colocados circulam entre nós, são pessoas normais que simplesmente conseguem colocar em prática com muita ênfase os mesmos comportamentos que podem conduzir qualquer um à aprovação. E é aí que eles podem nos ajudar a alcançar os nossos objetivos. Pois neles, esses comportamentos sobressaem, saltam aos olhos.

A LS, ao longo dos anos, tem produzido em série primeiros colocados, nos mais diversos concursos. E os estudos que realizamos no projeto Data Science mostraram que o que conduz tais pessoas ao primeiro lugar não é nada especialmente diferente do que pode levar qualquer candidato à aprovação. Baixo atraso de metas, preparação direcionada desde antes do edital, boa vazão no cumprimento de tarefas por semana, dentre outros pontos.

Mas há alguns comportamentos marcantes nos primeiros colocados que, apesar de não estarem gravados de forma direta nos registros da base de dados da LS, chamam a atenção dos consultores que os atendem. Três das suas características principais são: prazer em estudar, valorização do esforço e resiliência.

 

Prazer em estudar

A vantagem competitiva proporcionada pelo prazer em estudar é algo fácil de entender. Alguém que realiza seus estudos com afinco e cumpre suas metas no prazo, mas que faz isso com um sofrimento constante, com certeza estará em desvantagem em relação a alguém que faz o mesmo, mas sem sofrer tanto.

É claro que o estudo exige esforço e renúncia, e que isso pode não ser propriamente prazeroso. Mas as pessoas que se destacam conseguem, de alguma forma, enxergar o lado bom do estudo. O cérebro humano é feito para aprender coisas novas, e é notória a sensação de recompensa que nos domina quando entendemos um conceito novo.  Os primeiros colocados conseguem focar mais no prazer de aprender do que no lado penoso de estar cumprindo as tarefas.

 

Valorização do esforço

Especialmente nos dias de hoje, quando tudo o que se busca é a facilidade, é difícil entender que alguém possa valorizar fazer coisas penosas, difíceis, mesmo em busca de um objetivo que valha a pena. A ideia tão disseminada de ter “atalhos” para tudo aos poucos foi minando nossa noção do valor inerente ao esforço e à dedicação.

Uma característica marcante dos primeiros colocados é fugir desse lugar comum. São pessoas que se orgulham ao dizer, por exemplo, que bateram seu recorde de horas estudadas na semana, que conseguiram fazer uma lista com 100 questões na metade do tempo recomendado, ou que recentemente passaram a acordar 1h mais cedo para estudar. De alguma maneira, elas aprenderam a se sentir bem realizando atividades que, para outros, seria um martírio.

 

Resiliência

Resiliência pode ser definida como a capacidade de assimilar as derrotas, digeri-las e seguir em frente rumo à vitória, sem se abater.

Quando alguém termina na primeira colocação em um concurso, nossa tendência é olhar apenas para aquele feito. Mas se observarmos o histórico completo da pessoa, saberemos que ela muitas vezes foi reprovada, sem sequer chegar perto das vagas, em outros concursos. Muitas pessoas desistem do sonho de um cargo público nas primeiras reprovações. Os primeiros colocados conseguem assimilar bem as decepções, encarando-as como parte do processo rumo à aprovação.

Eles também lidam melhor com as dificuldades do dia a dia de estudos. Não são imunes a elas, mas simplesmente encontram formas de continuar estudando, custe o que custar.

 

Como se tornar um deles?

O primeiro colocado, em qualquer concurso, é um candidato como todos os outros, que não fazia ideia de que terminaria naquela posição antes que o resultado fosse publicado. Ele passa pelas mesmas dificuldades durante a preparação, vai para a prova com a mesma apreensão, se esforça da mesma maneira para encontrar a resposta de cada questão.

O que o diferencia, no entanto, não são características inatas, mas alguns comportamentos específicos, realizados com maestria durante a preparação. Um bom ponto de partida para você é tentar desenvolver a cada dia essas características citadas anteriormente. Nesse sentido, um consultor da LS certamente pode lhe ajudar muito, sinalizando o caminho das pedras com orientações baseadas não apenas na experiência própria, mas decorrentes da análise científica dos dados de comportamento de milhares de alunos. Os consultores da LS são alimentados constantemente com dados do Data Science, e procuram sempre direcionar seus alunos na direção de condutas bem específicas, que maximizam os resultados.

A LS oferece preparação personalizada para concursos, com uma metodologia testada e aprovada ao longo de anos de experiência. Agende uma entrevista!

Quaisquer dúvidas, críticas ou sugestões, entre em contato: alexandreandrade.concursos@lsensino.com.br

*Alexandre Andrade é Analista Legislativo da Câmara dos Deputados, Doutor em Engenharia, e foi 1o colocado geral de sua turma no IME, na EsAO e no concurso para Auditor da CGU.

Clique a seguir e siga-me no Instagram: