Central de Notícias

ARTIGOS

O Tripé Motivacional da Área Fiscal

20/07/2018 - Eduardo Frambach

Manter-se motivado durante toda a caminhada até a aprovação é algo bem difícil. Durante todo o processo temos dúvidas, desanimamos, colecionamos fracassos e o cansaço bate forte. Tenha calma, uma hora tudo isso muda. E sem dúvidas, tudo vai valer a pena!

Uma das mensagens mais verdadeiras que guardo desde quando eu era concurseiro é bem simples: SUA MOTIVAÇÃO DEVE SER INTERNA!

Eu poderia te contar um milhão de histórias de sucesso, inclusive a minha (que é um papo pra 2 chopes no mínimo…rs), pedir pra ver depoimentos, vídeos de motivação, mas isso seria apenas uma MOTIVAÇÃO EXTERNA. É aquela de curto prazo, passageira. Que dura dias, no máximo semanas.

A motivação (motivo que te leva a ação) tem que vir de dentro, ser interna. Essa sim é a que importa, a que é duradoura, até você conseguir seu objetivo. Você, mais do que ninguém, tem que querer isso e estar disposto a abdicar de algumas coisas para alcançar o que deseja.

Fincada essa premissa, eu estabeleci o meu tripé motivacional da área fiscal: ESTABILIDADE + SALÁRIO + FLEXIBILIDADE DE HORÁRIO.

Nas diversas conversas iniciais que tive com concurseiros (alunos ou não da LS), existe uma frase que ouvi diversas vezes: “Meu sonho é ser Auditor Fiscal.”

Bom, a minha resposta é sempre a mesma: “Sério?! Que surpresa. Você é a 1ª pessoa que tem esse sonho. Pelo menos eu nunca vi uma criança chegar para o pai e dizer: Pai, quando crescer quero cobrar imposto!”

Passada a parte da brincadeira, eu entendo completamente esse “sonho”. Na verdade, o sonho daquele concurseiro não é ser Auditor Fiscal, mas sim ter a vida de um Auditor Fiscal. E não há nada de errado nisso.

Eu fiz uma equação de motivação bem simples para resumir esse “sonho” quando eu estudava pra área fiscal. Ela ficava colada na porta de saída da minha casa:

ESTABILIDADE + SALÁRIO + FLEXIBILIDADE DE HORÁRIO = X

Bom, falarei sobre cada uma dessas parcelas e chegaremos ao “X”. “Mas, Eduardo, eu odeio exatas.” Calma, esse X é só uma expressão…rs

  • ESTABILIDADE:

O cargo de Auditor fiscal, assim como qualquer cargo público de provimento efetivo, está dentro do Art.41 da CF/88:

Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público.

Ou seja, após 3 anos de efetivo serviço, você terá a sua estabilidade. Mas ela não é absoluta, veja o que diz o § 1º do mesmo artigo:

§1º O servidor público estável só perderá o cargo:

I – em virtude de sentença judicial transitada em julgado;

II – mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa;

III – mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa.

Percebemos que só se a pessoa “quiser muito” ela perderá o seu cargo de Auditor Fiscal. Caso tenha ficado alguma dúvida, não se preocupe que na disciplina de Direito Administrativo isso é visto mais a fundo.

Trata-se, portanto, de um dos grandes atrativos das carreiras públicas, principalmente nos tempos de crise em que vivemos, onde o desemprego é bem elevado.

Cabe salientar ainda que a Estabilidade, ao contrário do que é ventilado muitas vezes na mídia, não é uma benesse ao servidor, mas sim uma importante garantia para que ele possa desempenhar suas funções, sem sofrer pressões de quaisquer grupos políticos ou econômicos.

  • SALÁRIO:

O salário de um Auditor Fiscal pode variar bastante de fisco para fisco. Mas a média da REMUNERAÇÃO INICIAL dos principais fiscos fica entre R$ 10.000 e 20.000 reais LÍQUIDOS. Já da pra tomar 1 chope né…rs

Sem contar o concurso de Prático (mais informações nesse link: https://goo.gl/e6WqrY), considero que a área fiscal, na média, só fica atrás da área jurídica.

Sendo assim, para um candidato que não possui formação em direito, estamos falando da melhor área em termos salariais.

Dizem que o dinheiro não traz felicidade, mas você pode ter certeza que ajuda e muito…rs

  • FLEXIBILIDADE DE HORÁRIO:

Por último, mas não menos importante, a flexibilidade de horário é uma regra na área fiscal. Eu conheço mais de uma centena de fiscais que atuam em uns 30 fiscos diferentes e posso garantir que a esmagadora minoria precisa ir todos os dias na repartição fiscal.

“Ah, Eduardo, então fiscal trabalha pouco?” Eu não disse isso…rs

A questão é que a profissão de Auditor fiscal, assim como qualquer outra, tem suas peculiaridades.

Quem quiser saber mais, depois, sobre o que o AFRFB, o fiscal do ICMS e o fiscal do ISS fazem, sugiro a leitura dos seguintes artigos:

– AFRFB: https://goo.gl/cyADzp

– Fiscal do ICMS: https://goo.gl/r6oQCP

– Fiscal do ISS: https://goo.gl/xSSUXA

Podemos dizer que, como regra, a maior parte do salário de um auditor é uma Gratificação por Produtividade fiscal (esse nome pode variar bastante). Inclusive pode haver mais de um tipo de gratificação (individual, geral…). Essa gratificação entra no cálculo do teto, só para constar.

Assim sendo, a Remuneração (R) é composta pelo Vencimento Básico (VB) mais essas Gratificações (GPF). Ou seja, você tem que cumprir determinadas metas para ganhar as Gratificações e, por consequência, seu salário “cheio”.

Como exemplo, vamos admitir que um fisco tem a remuneração inicial bruta de R$ 25.000, sendo seu VB igual a 1 salário mínimo (R$ 954,00). Ou Seja, a GPF é de R$ 24.046,00.

O cálculo dessa GPF é objetivo. Exemplo, o auditor tem que bater 800 pontos para ganhar a GPF total. E cada tipo de trabalho fornece uma quantidade de pontos:

– Parecer em processo adm (restituição, alocação de pagamento, promoção fiscal…): 40 pontos

– Plantão fiscal de 8h: 40 pontos

– Fiscalização: de 90 a 400 pontos (dependendo de uma série de fatores objetivos: porte da empresa, meses fiscalizados, tempo de duração, se houve autuação…).

Ou seja, se o Auditor não produzir nada no mês, ele ganha apenas o VB (R$ 954,00). Se só conseguir produzir 400 pontos, ele só vai receber ½ da GPF. E assim por diante.

Então, em regra, não se exige que o Auditor esteja na repartição cumprindo expediente todos os dias úteis. Mas ele deve conseguir bater seus 800 pontos durante aquele mês, senão não ganha seu salário cheio.

Em determinados fiscos o auditor pode levar os processos para casa, por exemplo. Fazer suas auditorias externas remotamente, de casa, ou na própria empresa, por exemplo.

Nos Estados, o Auditor pode trabalhar em barreiras fiscais, onde concorre em uma escala que varia de fisco pra fisco. Mas por exemplo, ele pode ficar 48h na barreira e folgar 6 dias.

Isso são exemplos só pra ilustrar, ok?

Enfim, como eu disse, é muito raro um auditor ter que estar na repartição todos os dias de 8h às 17h. E é por isso que digo que a flexibilidade de horário é a regra na área fiscal.

Bom, passadas as 3 parcelas que formam o tripé da motivação da área fiscal, chegamos no famoso “X”. Que é a soma disso tudo e que sempre foi tudo o que eu quis quando decidi me dedicar ao estudo para área fiscal. E esse X se chama: QUALIDADE DE VIDA!

ESTABILIDADE + SALÁRIO + FLEXIBILIDADE DE HORÁRIO = QUALIDADE DE VIDA

E eu também sugiro que coloque isso como, aí sim, seu sonho. Então é isso galera! Espero que tenham gostado e que esse tripé de motivação o ajude nessa maratona. Pode ter certeza que VALE MUITO A PENA!

Se tiver algum assunto que gostaria de ver por aqui, pode mandar direct no meu Instagram que responderei com o maior prazer.