Igor Ferreyro Nunes da Silva

1º colocado ISS Cuiabá e São Gonçalo

Depois de mais de dez anos na iniciativa privada, resolvi encarar o desafio do recomeço. Difícil tomar uma decisão dessas quando você está, de certa forma, estável na sua carreira e com um grande potencial de nela continuar crescendo. Obviamente, não foi uma decisão simples e prematura. Foram cerca de dois anos amadurecendo a ideia de deixar para trás todo esse período de aprendizado e crescimento profissional em troca de um objetivo maior.

A ideia de seguir a carreira pública me seduzia, principalmente, pela qualidade de vida que ela pode te proporcionar em determinadas situações. E isso, cedo ou tarde, você acaba por entender e buscar na sua vida profissional.
O ano de 2013 foi um ano meio que sabático para mim, em que concomitantemente com um período de descanso e replanejamento profissional, iniciei os estudos com foco nos concursos para as Autarquias federais (BACEN, SUSEP e CVM). Como não tinha o costume de estudar horas seguidas, tive dificuldades no início. Ademais, não tinha o material adequado e tampouco um planejamento de estudos. Fatos que, no final de 2013, levaram-me ao insucesso na prova do BACEN.

No início de 2014, iniciei forte preparação para a SUSEP, concurso que tinha grandes possibilidades de sair naquele ano, inclusive em curso presencial me matriculei. O fato foi que no mês de maio de 2014 senti que esse concurso não sairia e possivelmente CVM e outro BACEN também não. Aí, resolvi encarar o desafio da área fiscal o que abriria um leque maior de possibilidades pelo número de concursos que se realizam nessa área.

Sempre tive certo receio em não conseguir dar conta dos editais exigidos para esse perfil de certame. A grande quantidade de matérias, o nível de exigência destas e as matérias relacionadas à área jurídica (sou Engenheiro) faziam com que eu não me achasse capaz, ledo engano!

Conversei com um amigo meu que é auditor fiscal do Estado do RJ e ele me indicou a LS. Logo em seguida fiz um contato com a LS e agendei minha entrevista, nela, consegui elucidar algumas dúvidas que tinha e verificar que se tratava de um trabalho sério e profissional que vinha colhendo frutos positivos. Meu consultor, Marcelo Narcizo, sempre foi muito solícito e contribuiu por algumas vezes em tomadas de decisões que eu me deparei durante esse processo de preparação.

Eu não teria encarado esse desafio se não fosse a LS, uma vez que o nível de preparação é extremo. O planejamento, as indicações de materiais a adquirir, o “insano” pós-edital foram fatores determinantes para meus êxitos. Cheguei a estudar de dez a onze horas líquidas de segunda a sexta e de oito a nove horas líquidas aos sábados. Fiz mais de quarenta mil exercícios (obviamente, muitos repetidos) e assim consegui chegar num nível competitivo.
Ter o planejamento correto, os materiais certos a estudar, as orientações precisas, otimizam seu tempo e lhe projetam para um patamar diferenciado, garantindo uma sensação de dever cumprido antes da realização de qualquer certame.

A jornada é de médio e longo prazo, sacrificante, exige determinação, força de vontade e superação. Tudo isso vale a pena se o seu objetivo é realmente esse. O lema é estudar até passar e encarar esse investimento em você mesmo como uma etapa que vai lhe render algo satisfatório num futuro próximo.