Central de Notícias

ARTIGOS

CARACTERÍSTICAS DA ÁREA FISCAL

06/04/2015 - LS Concursos

O primeiro passo para alcançar a aprovação em um concurso público é escolher a área na qual deseja ingressar. Neste artigo, irei destacar algumas características da Área Fiscal, de forma a ajudar aqueles que estiverem indecisos.Os concursos da Área Fiscal ocorrem nas três esferas de governo:

Federal: Auditor Fiscal da Receita Federal (AFRFB), Analista Tributário da Receita Federal (ATRFB) e Auditor Fiscal do Trabalho (AFT).
Estadual: Os 26 Estados e o Distrito Federal possuem seus Auditores Fiscais Tributários. Corriqueiramente, os fiscos estaduais são chamados de ICMS, por este ser o principal imposto dos Estados.
Municipal: A maioria das capitais, além de diversos outros Municípios, abre concurso com remuneração tão atrativa quanto a das outras esferas. Os fiscos municipais são chamados de ISS, por este ser o principal imposto dos Municípios.

Para conhecer melhor cada órgão, acesse o respectivo site. Neles poderá encontrar as principais notícias, atividades desempenhadas e a estrutura.

Exemplos:

Receita Federal
Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro
Secretaria Municipal de Finanças e Desenvolvimento Econômico de São Paulo

Concurso Área Fiscal

O salário inicial dos Auditores gira em torno de R$ 15.000,00, na maioria dos órgãos. Além disso, em muitos destes, há a participação na arrecadação ou nas multas, de acordo com metas pré-estabelecidas. Isto faz com que a produtividade seja incentivada.

A cobrança de conteúdo é bem homogênea, ou seja, não muda de um órgão para outro, salvo algumas exceções. Portanto, quando estiver com base nas principais matérias, poderá concorrer em diversos certames.

E quais são as principais matérias?

Português, Matemática Financeira, Estatística, Raciocínio Lógico, Informática, Contabilidade, Economia, Administração, Finanças Públicas, além dos Direitos Tributário, Administrativo, Constitucional, Civil, Empresarial e Penal.

O lado bom de possuir assuntos de vários segmentos é a concorrência. Como nenhuma faculdade engloba todas as matérias, além dos concursos, em sua ampla maioria, não exigirem formação específica, apenas curso de nível superior em qualquer área de formação, os concorrentes partem de um mesmo patamar ao ingressarem nos estudos. Isto faz com que tenhamos, hoje em dia, inúmeros aprovados vindos das mais diversas áreas, como Odontologia, Educação Física, Matemática, Letras, Jornalismo, Engenharia, Direito, Contabilidade, Ciências Navais, entre outras.

Não costumam faltar oportunidades nesta área. Só no ano de 2014, tivemos concursos para a Receita federal (278 vagas), Estado do Rio de Janeiro (50 vagas), Rio Grande do Sul (100 vagas) e Pernambuco (25 vagas), Município de São Paulo (98 vagas), Salvador (37 vagas), Recife (13 vagas), São José do Rio Preto (10 vagas) e Cuiabá (40 vagas). Em 2013, só para o Estado de São Paulo foram 885 vagas, além de outros concursos, como o do Estado do Pará (200 vagas) e Espírito Santo (16 vagas). Sendo assim, podemos perceber que foram 651 vagas em 2014 e 1101 vagas em 2013, sem contar os aprovados fora do número de vagas, que, muitas das vezes, são chamados.

Deve-se ressaltar que a promoção de novo concurso é de iniciativa do chefe do poder executivo local. Os entes federativos são livres para decidir sobre a criação de novas vagas nos seus quadros fiscais e a necessidade de realizar novos concursos. Lembrando que União, Estados, Distrito Federal e Municípios são autônomos. Nem os Estados se submetem a uma eventual política restritiva em relação a concursos da União, nem os Municípios, relativamente aos Estados a que pertencem. Cada ente federativo é livre para decidir.

Além disso, devemos refletir sobre a função do Auditor Fiscal, que é estritamente relacionada à arrecadação. Ou seja, realizar concurso para a Área Fiscal ajuda os entes a aumentarem a arrecadação. Portanto, estes concursos dificilmente são afetados pelos cortes orçamentários.

A fiscalização é muito dinâmica e motivante. A atividade desempenhada muda a cada dia, de acordo com o programa de fiscalização determinado pelo órgão. No entanto, caso o aprovado não deseje trabalhar na fiscalização, há a possibilidade de trabalhar em outros setores, como planejamento, consulta, etc.

Espero ter ajudado com estas características gerais e, caso desperte a vontade de ser Auditor Fiscal, a LS CONCURSOS está à disposição para ajudá-lo.

Siga nosso perfil no instagram: