Gustavo Lima Degani

Aluno aprovado em 1º lugar no TCE MG

Fala, pessoal! Me chamo Gustavo Lima Degani, sou formado em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia e espero que com esse depoimento eu consiga ajudar vocês que estão nessa caminhada rumo à aprovação.

Minha história começa em setembro de 2015, quando abri mão de um Trainee e pedi demissão de uma grande empresa privada a fim de estudar para concursos públicos. Lembro que o concurso do INSS estava próximo e se tornou meu primeiro objetivo.

Porém, a pressa para passar me trouxe dois grandes problemas: ansiedade e a falta de metodologia adequada. Estudava sem planejamento, sem cronometrar a quantidade de horas líquidas diárias e com pouca ou até nenhuma revisão. O resultado negativo era inevitável. A óbvia reprovação no concurso do INSS me fez investir em aprender a estudar. Comecei a realizar revisões de 24h, 7 dias e 21 dias. Aprendi a cronometrar meu tempo líquido de estudo, algo que me deixou mais concentrado e com melhor noção de quanto realmente estudava. Comecei a estabelecer metas diárias e semanais, e assim meu desempenho começou a melhorar substancialmente.

Ainda assim, as reprovações continuaram: MPOG (CR), Funpresp-exe, Anvisa e TCE-PE. Percebia que meu desempenho era cada vez melhor, mas sentia que alguns ajustes precisavam ser feitos para conseguir ser finalmente aprovado. Foi quando busquei a LS para o pós-edital do concurso do TCE-SP por meio da consultoria do Bruno Machado, que me ajudou a estudar cada disciplina com o melhor enfoque, combinando exercícios, revisões e leituras, sempre dando maior peso naquilo que realmente cai na prova. Além disso, a indicação dos melhores materiais para cada disciplina traz a tranquilidade que o esforço está sendo feito na direção correta. A divisão do estudo por meio de metas semanais foi algo que promoveu motivação e melhora na organização do tempo. Foram três meses de muito estudo e por pouco não consegui uma vaga direta, embora esteja no CR em uma boa colocação. A partir da preparação com a LS e com o Bruno, me senti pela primeira vez em um nível competitivo. Poucos meses depois fiz a prova do STM (TJAA) e fui aprovado em 27º. Mesmo após esse êxito, mantive o foco e consegui ser 79° na prova do TRT2 (AJAA) e, finalmente, 1° para Analista de Controle Externo, área de Administração, do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, estado que nasci.

Em nenhum dia dos três anos de estudo eu fiz mais de nove horas líquidas, mas também foram muitos os sábados, domingos e feriados estudados e meses sem folga perto de uma prova importante. Quase sempre fazia pelo menos seis horas diárias. Fiz algumas viagens de curta duração, tirava alguns dias de folga depois de alguma prova e saía pelo menos um dia no final de semana. Acredito que a aprovação veio pela constância do estudo e por um bom método. Em dias de muito cansaço, preferia fazer duas ou três horas líquidas para conseguir estar bem no dia seguinte. É preciso ter constância e equilíbrio.

Escolher uma área é fundamental, pois as disciplinas se repetem. Sempre quis a área de controle e tenho certeza que só passei no TCE-MG porque prestei anteriormente o TCE-PE e TCE-SP. Se cercar de pessoas que apoiam e acreditam em você também é vital, e isso implica se afastar daquelas que te criticam e torcem pelo seu insucesso. Por fim, é preciso aprender com cada prova realizada. Prestei dez provas e passei apenas em duas, porém sei que as oito vezes que não cheguei nas vagas serviram para eu focar naquilo que estava fraco e perceber o que havia errado. O importante é continuar firme no propósito.

Por fim, deixo meu muito obrigado a todos que me acompanharam até aqui e ressalto meu desejo de força e sabedoria a quem almeja um cargo público.

Saudações!