Marcel Loredo de Matos

Aluno aprovado em 1° no ISS Campo Grande

Olá, meu nome é Marcel Loredo de Matos, tenho 28 anos, sou de Niterói/RJ e sou formado em matemática. Atualmente trabalho como professor e recentemente fui aprovado em 1º lugar no concurso do ISS Campo Grande/MS.

Vou contar um pouco minha história e espero que sirva de ajuda para você. Ao final, deixarei dicas mais objetivas de como estudei. 

Meu pai é Auditor da Receita Federal e desde novo tinha na cabeça que gostaria de seguir esse mesmo caminho. Porém, a vida me trouxe a oportunidade de ser sócio de uma escola e esse desejo dos concursos foi deixado um pouco de lado. Quando percebi que ser empresário era muito duro por não ter horário para entrar e sair, preocupação com o pagamento dos funcionários, entre outros problemas, resolvi tentar conciliar o trabalho como sócio, professor e concurseiro. Não preciso nem dizer que é algo praticamente impossível, né? 

Comecei lendo livros e me matriculando num cursinho presencial aos sábados porque foi a forma que meu pai se preparou no tempo dele. Mas as coisas não são mais como antes e, particularmente, acho que não é a melhor forma de se preparar hoje em dia. Nos tempos atuais, a informação está muito disponível e aulas presenciais, regra geral, tomam muito tempo com deslocamento. 

Depois de um tempo, conheci a LS por amigos e resolvi me tornar aluno. Posso afirmar com muita segurança que foi a melhor escolha que fiz nessa caminhada. Ter uma equipe para organizar o meu estudo era muito interessante já que fazer isso sozinho era muito complicado. Lembro que quando comecei na LS só pensava em quanto tempo eu tinha perdido. O rendimento havia aumentado demais! 

Como toda história, enfrentei muitas dificuldades. O trabalho continuava consumindo muita energia, a preocupação com a administração do colégio estava acabando comigo. Além disso, enfrentei a perda de meus avós. Essa fase foi muito difícil já que conviver diariamente com alguém que você ama muito e está com uma doença terminal é algo muito doloroso. “Perdi” quase 1 ano de estudo nessa situação, mas certamente “perderia” quanto tempo fosse preciso para estar com eles, ainda mais no momento que mais precisaram. 

Enfim, em maior ou menor grau, todos nós passamos por problemas pessoais e não há fórmula mágica para lidar com eles, mas tenha em mente que isso faz parte do processo. 

Logo após a passagem da minha avó no final de 2017, conversei muito com meu pai sobre a vida e ele me disse uma frase que não esqueço: “Você está fazendo muitas coisas ao mesmo tempo, lembre que o pato faz tudo: anda, nada e voa, mas não faz nada bem”. Nesse momento eu decidi que precisava focar em algo e quis arriscar: vendi minha participação na sociedade e passei a não trabalhar mais todos os dias, só iria dar aulas 3 dias pela manhã. Dessa forma, teria todas as tardes e quinta e sexta livres, além de ter “apenas” a preocupação com as aulas que eu iria lecionar. Com isso, consegui melhorar ainda mais meu rendimento no estudo. 

As perspectivas de concursos na área fiscal estavam bem ruins, mas felizmente no meio de 2018 abriu o concurso para SEFAZ GO e logo depois para SEFAZ SC. Nesse momento, eu já estava mais equilibrado mentalmente, tinha mais tempo para estudar e, finalmente, iria para uma prova podendo competir de verdade. Estudei bastante para a SEFAZ GO, mas não consegui ir bem, havia feito 77% da prova e fiquei muito longe das vagas (posição 215). 

Fiquei muito frustrado, mas aprendi uma lição no meu “primeiro” pós-edital: eu precisava aumentar a quantidade de horas e aproveitar melhor essas horas (Disse “primeiro” porque apesar de já estar estudando há algum tempo, nunca tinha enfrentado um pós-edital da maneira que deveria. Tanto SEFAZ MA 2016, quanto ISS Criciúma 2017 aconteceram durante o problema com meus avós, então eu fui apenas por ir, sabia que não teria nenhuma chance nessas provas). 

Fiz os ajustes com meus erros em GO e, na prova da SEFAZ SC, melhorei a minha nota para 80,4%, mas continuei muito longe das vagas (posição 207). O mundo parecia ter acabado, me senti um incapaz e cogitei parar de estudar. Na minha cabeça só passariam os gênios, ninguém normal teria chance. 

Apesar dessa nova derrota, cheguei à conclusão junto com um amigo que é fiscal de Niterói que meu erro foi Legislação Tributária. Eu havia estudado bastante essa matéria, mas deveria ter feito mais. 

Logo após SC, mudei de consultor (o meu antigo havia saído da LS) e comecei a ser orientado pelo Bruno Machado, indicado por um amigo. Ele teve um cuidado fora do comum na análise do meu estágio e na condução das minhas metas a partir daquele momento. 

No final de 2018, novamente conversando com meu pai, decidi me demitir de 2 lugares e ficaria trabalhando apenas 1 manhã. Era quase como um “all in” do Poker. Lembro que chorei demais, eram lugares que eu trabalhava desde 2011. 

Fiquei, então, de dezembro de 2018 até fevereiro de 2019 estudando sem edital (eu não pude fazer SEFAZ RS pela formação específica). Esse tempo foi essencial para eu cobrir alguns buracos que eu possuía em algumas disciplinas. É importante demais aproveitar essas “janelas” entre editais, não pode desanimar. 

Em fevereiro de 2019 saiu o ISS Guarulhos e resolvi cair dentro desse edital. Porém, algo mudou totalmente a minha mentalidade nessa preparação: no final desse mesmo mês, um amigo de infância (também aluno da LS orientado pelo Bruno) passou no SEFAZ RS. Isso mudou minha cabeça porque tivemos desempenhos parecidos na SEFAZ GO e SC. Nesse momento eu tive a certeza que pessoas normais passam e com essa nova mentalidade, fiz tudo que podia para Guarulhos, completava todas as tarefas com antecedência e ainda fazia mais questões e lia mais a legislação específica. 

Confesso que nunca tinha estudado tanto na vida como fiz para essa prova, não aceitaria outro resultado que não fosse ser aprovado, mas infelizmente também não consegui. Fiz 91,4% e fiquei na 58º posição. Tive a mesma nota do último aprovado, porém perdi no critério de desempate.

 O mundo parecia ter acabado de novo, fiquei muito frustrado e cogitei não fazer o ISS Campo Grande. Se não fosse meu pai, eu realmente não teria feito o concurso. 

Apesar de toda a tristeza, tive uma lição muito importante extraída da prova de Guarulhos: Eu havia feito uma preparação totalmente correta, errando apenas na execução da prova (mudei 3 questões que tinha acertado por procurar problema onde não existia). 

Com essa certeza de saber o que fazer, mantive o ritmo para Campo Grande e obtive um rendimento de 92,7%, conseguindo não só a aprovação, mas também o 1º lugar. Nunca imaginei que isso poderia acontecer comigo. 

O momento da prova é solitário, mas para chegar ali com condições tive muita ajuda. Então, nada mais justo que compartilhar essa vitória com as pessoas que me ajudaram nessa caminhada. Primeiramente, agradecer aos meus pais e a meu irmão que estiveram todos os dias comigo me apoiando. Também à minha família (avós, tios, primos), minha namorada, meus amigos, à moça que trabalha aqui em casa e ao meu consultor Bruno Machado. Sem vocês isso não seria possível!

 Informações mais objetivas 

1) Independente de pré ou pós edital

Resumos: No início fazia no papel (não recomendo), ao final da preparação apenas no computador.
Motivação: Nem sempre você estará motivado, por isso crie o HÁBITO de estudar.
Vídeo aula: Quando eu não conseguia mais fazer questões ou ler resumos/lei seca eu “descansava” vendo vídeo aulas. Também via quando queria esclarecer algum ponto que não tinha entendido pelo material escrito.
Celular: É um grande vilão. Eu deixava SEMPRE longe de mim quando ia estudar e me afastei bastante das redes sociais.
Lei seca: Valorize muito, não deixe de lê-la.
Controle de horas líquidas: Para mim foi muito importante. Claro que é preciso aliar isso a outras formas de controle como percentual de acertos.
Incertezas: Por vezes é muito difícil controlar a cabeça, muitos pensamentos negativos aparecem, mas tente focar no que você precisa fazer para continuar no caminho da aprovação.
Reprovações: Tenha frieza de analisar o que a reprovação te mostrou. Saber identificar seus erros é essencial para melhorar para o próximo concurso. 

2) No pós edital

Horas líquidas: No mínimo 50h por semana, com picos de 65h.
Questões: Aproximadamente 1000 por semana.
Vida social: Relaxava apenas sábado final de tarde e noite.
Legislação específica: Lia todos os dias!